Breaking Nose


_________________________________________________

Oficina de conservação/restauro e criação artística
com Ana Barradas e Vanda Madureira

Círculo Sede
09/10/2021
10h00 às 13h00
14h30 às 16h30 

A oficina incide sobre a fisicalidade da representação, utilizando as técnicas de conservação e restauro como ferramentas para a continuidade da criação artística, com especial foco na materialidade (da «folha de papel» e do «nariz cerâmico»). Partindo da obra Break my Nose, surge o projeto/oficina Breaking Nose, onde Vanda Madureira e Ana Barradas se juntam para uma intervenção de conservação e restauro da obra supostamente acabada. Este projeto implica os espectadores/intervenientes, a conservadora-restauradora e a própria artista na continuidade da coisa artística.

Vanda Madureira
Artista plástica, visual e performativa. Vive e trabalha em Coimbra. Em 2002, licenciou-se em Artes Plásticas na Escola Superior de Artes e Design das Caldas da Rainha (ESAD. CR). Entre 2007 e 2009, frequentou o Mestrado em Arte Contemporânea da Escola das Artes da Universidade Católica Portuguesa, no Porto. Frequenta, desde 2013, o Doutoramento em Arte Contemporânea do Colégio das Artes da Universidade de Coimbra, encontrando-se em fase de redação da tese, que versa sobre as ligações potenciais entre desenho, corpo e performance, intitulando-se provisoriamente O Desenho como Potência.
Foi, e continua a ser, membro-ativa de vários coletivos artísticos. Destaca-se o Pizz Buin. Desde 2005, explora a dimensão mais relacional do desenho num projeto intitulado Desenho de Depois do Buraco. Nesse aprofundamento, o desenho é a alavanca-gatilho para o envolvimento e cruzamento com outros campos disciplinares, estimulando ações e intervenções artístico-performativas que por vezes são acompanhadas por outros/outras artistas cúmplices em regime de colaboração e coautoria.

Ana Barradas
Natural de Lisboa. É licenciada em Conservação e Restauro pelo Instituto Politécnico de Tomar e mestre em Conservação e Restauro, perfil Património Móvel, pelo mesmo instituto. Efetuou trabalhos de conservação e restauro de pintura de cavalete, materiais cerâmicos e de preservação de coleções no Convento de Cristo, no Laboratório de Materiais Cerâmicos do Instituto Politécnico de Tomar e na Divisão de Museus Municipais da Câmara Municipal de Sintra. Colaborou com a Fundação Maria Dias Ferreira, em Ferreira do Zêzere, e com o Laboratório de Madeiras do Instituto Politécnico de Tomar na área de mobiliário. Realiza trabalhos nas áreas de pintura de cavalete, talha dourada, escultura policromada, mobiliário e materiais cerâmicos, com o projeto Oficina dos Franceses. Colabora frequentemente com o Santuário de Nossa Senhora da Conceição e o Museu de Arte Sacra, em Vila Viçosa, e a empresa Porto Restauro, no Porto.